Geral Política

Mandetta é demitido do Minstério da Saúde, Câmara amplia auxílio emergencial e mais notícias2 min

17/04/2020 2 min read

author:

Mandetta é demitido do Minstério da Saúde, Câmara amplia auxílio emergencial e mais notícias2 min

Reading Time: 2 minutes

Mandetta deixa o Ministério da Saúde e Nelson Teich assume

Indicado para o cargo de ministro da Saúde ontem, dia 16, pelo presidente Jair Bolsonaro, o oncologista Nelson Teich também defende a necessidade de isolamento social horizontal no combate ao coronavírus. A mudança no Ministério, durante a pandemia, se deu por desencontro de opiniões e troca de farpas entre o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e o presidente Jair Bolsonaro.

Câmara aprova projeto que estende o auxílio de R$600

O projeto de lei que estende o auxílio emergencial pago a trabalhadores informais por três meses, agora também será pago a outros grupos sociais, incluindo mães adolescentes e pais de família. A proposta aprovada também permite que recebam o auxílio pessoas que não têm CPF ou título de eleitor.

Planalto avalia procurar o STF para flexibilizar o isolamento

O presidente Jair Bolsonaro e seus auxiliares avaliaram que é preciso buscar um entendimento com o Supremo Tribunal Federal apara evitar que medidas do Executivo sejam barradas. A nova proposta do governo é convencer os ministro de que o vírus não é tão “alarmista” como dizia o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

Estados e municípios arrecadaram 37% menos na última semana

Levantamento com base em dados de emissão de notas fiscais mostra que a arrecadação de estados e municípios vem caindo a cada semana. Nos últimos sete dias, a queda foi de 37% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Ações contra o coronavírus custarão R$ 258 bilhões

O Ministério da Economia informou que as medidas já anunciadas para o combate à pandemia devem gerar custo de R$ 307 bilhões. Desse total, R$ 285,4 só em 2020. Segundo o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, a diferença entre os R$ 307 bilhões e os R$ 285 bilhões dizem respeito a R$ 22,6 bilhões relacionados à suspensão da dívida de estados e municípios com a União.